Uncategorized

Abusado pela Irmã

Abusado pela Irmã
Olá queridos leitores, a história que venho partilhar com vocês hoje, aconteceu a uns 4 anos atrás. Eu morava numa cidade perto da capital e depois me mudei para o interior, por causa da separação dos meus pais, quando cheguei nessa cidade pequena, não gostava muito pois não conhecia ninguém e minha meia irmã mais velha era um saco, fiz de tudo para minha mãe voltar para o meu pai mas isso não rolou, tivemos que ficar naquela cidadezinha. Meus avós trabalhavam na roça e sempre sainham cedo, mais ou menos as 6 da manhã minha irmã ficava sozinha, como na minha casa não tinha televisão, pois a mesma tinha ficado com meu pai, eu ia assistir na casa da minha avó (eu morava no fundo do quintal da minha avó), ela sempre abria a porta pra mim ainda de camisola, mas eu não ficava reparando nos atributos dela, afinal ela era minha irmã e sempre desdenhava de mim. Eu ficava lá assistindo até as 11 e 30 e depois ia me arrumar para ir a escola, e foi assim por meses, mas só que em um desses dias, ela saía do quarto dela e vinha se sentar comigo, depois começou a puxar briga (arenga como se diz no nordeste do Brasil), eu não queria brigar mas ela provocava muito ai eu sedia e me atracava com ela, mas de repente essas brigas começaram a suar estranho, toda vez que a gente brigava no meio da briga ela dava um jeito de sentar no meu colo e sempre fazia minhas mão roçar nos peitos dela, certo dia quando fui assistir na casa da minha vó, notei que a camisola dela estava molhada na altura dos seios que ela me olhava com uma cara de felicidade, neste dia ela saiu do quarto com uma blusinha fininha e sem sutiã, não sei por que senti tanto tesão e meu pau ficou duro na hora, e ficou difícil esconder a ereção pois eu vestia um calção de jogar futebol que era de tecido leve, ela percebeu o volume no meio das pernas e logo puxou uma briga, naquele dia quando ela conseguiu sentar no meu colo e ela ficou roçando nele, não aguentei e soltei um pouco de gozo no calção, e ela viu, e então roçou mais forte, perdi o controle e coloquei a mão dentro da blusa dela e senti aqueles seios duros pontudos e médios, e branquinhos (ela era minha meia irmã). Fiquei perturbado com aquilo tudo e passei alguns dias sem ir à casa da minha vó, pois a cena ia e voltava na minha cabeça. Quando consegui esquecer fui até lá assistir um pouco, pois não aguentava tanto tédio, novamente ela abriu a porta e foi correndo pro quarto, passou por mim só de toalha e foi pro banheiro, naquele instante voltei a pensar nos belos seios dela e quando ouvi o barulho do chuveiro não pensei duas vezes e fui espiar pela fechadura, mas para meu espanto a porta estava semiaberta, sem pensar comecei a espia-la ela percebeu que eu estava ali mas não fez nenhum espanto e continuo o seu banho novamente fui pra casa e falava comigo mesmo;
– não posso fazer isso ela é minha irmã, que loucura cara não vou mais la
Naquele momento decidi que não iria mais a casa da minha vó, e passei muito tempo sem ir lá, minha mãe arrumou um emprego pela manhã, e meus irmãos menores voltaram as aulas, sem ter o que fazer dormia todos os dias para não cair na tentação de ir a casa da minha vó, minha irmã percebeu que eu ficava só, e num desses dias ela foi a minha casa, a parte de cima da porta sempre ficava aberta e dava pra abrir a parte de baixo, ela entrou e me viu dormindo só de cueca box. Enquanto eu dormia comecei a me incomodar com certos movimentos na altura do meu colo, quando abri os olhos era ela nua de 4 mamando aquela pica de 20cm, eu não reagi, e ela continuou a me chupar, depois não resisti e a chupei também, quando ela gozou na minha boca suspendi ela que me agarrou o pescoço, a coloquei na parede e comecei a fuder com ela ali mesmo, depois ela me deitou na cama e sentou no meu pau e nossa como minha mana cavalga bem é quase uma profissional, logo depois de quase gozar naquela posição abrir as pernas dela e dei um trato naquela buceta pequena e apertada, ela gemia muito e dizia;
– Me fode mano gostoso, com esse pau grosso e duro! Me arrebenta vai!!!
E eu claro obedeci, depois pedi para comer o cuzinho dela e ela não se fez de rogada, ficou de quatro e empinou aquela bundinha branca e disse vai negão. Não perdoei cuspi na cabeça do meu pau e a comi sem pudores depois de uns cinco minutos não aguentei tanto tesão e gozei dentro do cuzinho dela.
Depois daquela transa deitei ao lado dela e não sabia o que dizer, ela deitou no meu peito e disse;
– Não se preocupa maninho, isso fica só entre a gente e sempre que quiser vou te dar.
Depois daquele dia sempre que podíamos transávamos, Ai crescemos e cada um foi pro seu lado. Sempre que nos vemos falamos normal um com outro, e não tocamos em assuntos passados.
Bem queridos é isso até o próximo conto. By!

Bunlar da hoşunuza gidebilir...

Bir cevap yazın

E-posta hesabınız yayımlanmayacak. Gerekli alanlar * ile işaretlenmişlerdir